Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Inocênte de Quê?

"É relativamente fácil suportar a injustiça. O mais difícil é suportar a Justiça" - Henry Menchen

"É relativamente fácil suportar a injustiça. O mais difícil é suportar a Justiça" - Henry Menchen

Inocênte de Quê?

28
Dez19

79 - Julgamento - Primeira Audiência - 5ª Testemunha

António Dias

Praceta.jpg

79

Juiz – Antes de mais eu vou-lhe enquadrar a situação. Estamos aqui porque alguém, supostamente o arguido, terá retirado a mangueira, houve um incidente lá com os esgotos, a câmara meteu lá um sistema, uma solução provisória para resolver a eventualidade e alguém, supostamente o arguido, vamos ver se há algum conteúdo, terá retirado a mangueira uma vez num sítio, outra vez noutro, isto é o que nós estamos aqui, isto passou-se, neste intervalo de tempo de cerca de 3 meses, ou seja, entre setembro e novembro, isto é importante estarmos aqui já a falar das datas, e é isto que nós queremos saber, o senhor, é destes factos que estamos aqui hoje a falar, o que é que o senhor viu? Ponto final! A começar pela primeira vez tinha acabado o …

Vítor Carvalho - … ora bem, vi da primeira vez a mangueira ser retirada do sítio onde estava para o pavimento …

Juiz - … viu com os seus próprios olhos?

Vítor Carvalho – Vi, vi!

Juiz … viu este indivíduo a retirar a mangueira do local onde ela estava enfiada, para o pavimento?

Vítor Carvalho – Exatamente!

Juiz – Recorda-se qual foi a primeira vez, a primeira vez terá sido então … ah … estamos a falar entre setembro e novembro …

Vítor Carvalho - … isto foi …

Juiz - … terá ocorrido esta situação no seu quintal, no princípio e meio de novembro?

Vítor Carvalho - … sim …

Juiz - … no princípio de setembro?

Vítor Carvalho – Não exactamente …

Juiz - … em princípio de setembro a câmara colocou e alguns dias depois viu-o concretamente a retirar a mangueira e a pô-la para o chão …

Vítor Carvalho - … exactamente!

Ministério Público – Mas o senhor diz que viu, ou viu das imagens do vídeo da porteira?

Juiz – Senhora doutora depois vamos ver as datas. Viu este senhor tirar. Já vamos ver como é que viu. Viu-o retirar a mangueira lá do local, da caixa, onde a câmara o meteu. Como é que viu? Onde é que estava? Como é que viu este senhor?

Vítor Carvalho – Estava no escritório!

Juiz- Estava no seu escritório!

Vítor Carvalho – O meu escritório que fica na esquina da casa.

Juiz – Na esquina da sua casa. E da esquina da sua casa o senhor avista o local onde estava a mangueira enfiada?

Vítor Carvalho – Da esquina da minha casa eu avisto perfeitamente boa parte da praceta e quando vi a pessoa a deslocar-se naquele sentido …

Juiz - … na direcção …

Vítor Carvalho - … do que lá estava …

Juiz - … da sua casa, que era à beira do seu muro, não era?

Vítor Carvalho – Sim, mas a minha casa faz um, tenho aqui até um …

(tenta tirar uma fotografia do Googel da praceta duma pasta)

Juiz - … não precisa de mostrar, faça-me só uma …

Vítor Carvalho - … é uma praceta, o meu muro faz um ângulo reto, e portanto depois estou eu aqui, aliás, faz dois ângulos retos, eu estou aqui nesta esquina e a caixa fica aqui situada na extremidade da propriedade, que é portanto …

Juiz - … senhor engenheiro, o seu escritório avista o local?

Vítor Carvalho – Sim!

Juiz – Onde estava a …

Vítor Carvalho - … é isso …

Juiz - … e viu este senhor a deslocar-se para ali e tirar a mangueira?

Vítor Carvalho – Sim!

Juiz – E depois, voltou a vê-lo?

Vítor Carvalho – Voltei a vê-lo mais tarde …

Juiz - … quanto tempo depois? Mais ou menos!

Vítor Carvalho – Voltei a vê-lo, vi que aquilo ia continuar, e vi-o nas imagens depois …

Juiz - … depois não o viu mais vezes, depois das imagens?

Vítor Carvalho – Depois das imagens …

Juiz - … fez filmagens durante quanto tempo?

Vítor Carvalho – Eu penso que terá sido 1 minuto!

Juiz – Só filmou 1 minuto?

21
Dez19

78 - Julgamento - Primeira Audiência - 5ª Testemunha

António Dias

Aldrabão.jpg

 

78

 

Testemunha 5

Vítor carvalho

(42 minutos e 33 segundos)

 

Juiz – Diga-me o seu nome completo?

Testemunha – Vítor Carvalho!

Juiz – Estado Civil?

Vítor Carvalho – Casado!

Juiz – Profissão?

Vítor Carvalho – Engenheiro civil!

Juiz – Que idade é que o senhor tem?

Vítor Carvalho – Entre 62, quase 63.

Juiz – 62 anos! Ah, olhe uma coisa, o senhor tem alguma relação com o SMAS, ou outro qualquer?

Vítor Carvalho – Não!

Juiz – Não! Jura que vai dizer a verdade ao tribunal?

Vítor Carvalho – Sim!

Juiz – Faz o favor de se sentar! Faz favor senhora doutora.

Ministério Público – Meritíssimo juiz, muito boa tarde. Senhor Vítor Carvalho, o senhor sabe porque é que está aqui hoje?

Vítor Carvalho – A senhora pode repetir!

Ministério Público – Então eu pergunto-lhe, sabe porque é que o arguido está a ser julgado hoje?

Vítor Carvalho – Sim!

Ministério Público – Então o que eu lhe pergunto é o que é que o senhor presenciou relativamente aos factos que o arguido está a ser julgado?

Vítor Carvalho – O que é que eu presenciei?

Ministério Público – Sim! Ou visualizou.

Juiz – O que é que viu? Visualizar …

Ministério Público - … viu, viu? O que é que viu?

Vítor Carvalho – Vi uma vez a … estava uma a … penso que …

Ministério Público - … já temos contextualizado …

Juiz - … nós já sabemos …

Ministério Público - … a situação!

14
Dez19

77 - Julgamento - Primeira Audiência - 4ª Testemunha

António Dias

 

Polícia.jpg

 

77

 

Advogado do Arguido – Dona Sílvia, só para terminar, é um pouco mais concreto. Alguma vez a dona Sílvia, ou o seu marido, apresentaram queixa contra o arguido?

Sílvia Carvalho – Não!

Advogado do Arguido – Nunca apresentaram queixa, por exemplo, na polícia?

Sílvia Carvalho – Não! É isso que eu estava a dizer, o que nós pedimos à autoridade é que viesse mandar cessar a incomodidade, que eu não considero isso uma queixa. É queixa isso?

Juiz – Não é? Então o que é que a senhora está a fazer? Está a telefonar para a esquadra, “olhe tenho aqui um vizinho que tem uns cães que me incomodam”, passa a autoridade, é uma queixa, está a queixar-se.

Sílvia Carvalho – Ó senhor doutor, desculpe, se é queixa nesse sentido …

Juiz - … não estou a falar de uma queixa formalmente criminal, é uma queixa, a senhora telefona para a esquadra, “olhe tenho aqui um vizinho que tem uns cães que me incomodam, e não me deixam dormir”, o que é que está a fazer?

Sílvia Carvalho – Estou a requerer o apoio da autoridade para ir fazer cessar a incomodidade, mas se chamarmos queixa muito bem, essa sim …

Juiz - … isso é muito complicado …

Advogado do Arguido - … mas tem conhecimento de alguma vez ter dado origem, a senhora ou o seu marido, a algum processo na Câmara Municipal de Oeiras, contra o arguido?

Sílvia Carvalho – Ou seja, na sequência da nossa participação, do nosso pedido da vinda da PSP, pois não sei, fui lá noutro dia, chamei para o vizinho de baixo, depois fui lá consultar o processo que tinha dado “admoestação”, do senhor ainda não sei, mas provavelmente o meu, acho que chegaram a fazer um processo municipal, que eu ainda não sei qual é o desfecho.

Advogado do Arguido – Quantas vezes, assim por alto, só como imagem, quantas vezes terá chamado a polícia?

Sílvia Carvalho – Muitas, algumas, várias, bastantes …

Advogado do Arguido - … estamos a falar do arguido …

Sílvia Carvalho - … pois …

Advogado do Arguido - … do arguido, da família do arguido, dos cães do arguido …

Sílvia Carvalho - … pois, não sei dizer porquê, eu sinceramente acho que era mais para o vizinho de baixo, porque são 3 cães mais dois, e agora não sei quantificar quantas vezes é que disse que eram para este senhor, ou para o outro senhor. O outro senhor, por exemplo, no verão é complicado porque vai-se embora e o cão realmente não pára, este normalmente está mais presente, pronto de alguma maneira …

Advogado do Arguido - … pronto, muito obrigado!

Juiz – Boa tarde minha senhora, pode ir à sua vida.

07
Dez19

76 - Julgamento - Primeira Audiência - 4ª Testemunha

António Dias

Conflituosa.jpg

 

76

 

Ministério Público - … ó senhor doutor, a senhora Sílvia não acha isso …

Advogado do Arguido - …vai-me desculpar senhora doutora. Eles andaram a filmar um sítio onde não acontece nada, eu estou a provar que naquele sítio não aconteceu nada …

Juiz … ó senhor doutor …

Sílvia Carvalho - … mas quer o resto das imagens? Isso o meu marido tem na base de dados …

Advogado do Arguido - … não sou eu que quero, infelizmente não sou eu que mando …

Sílvia Carvalho - … mas eu também não …

Advogado do Arguido - … eu só requeiro!

Sílvia Carvalho – O meu marido só mostrou as imagens porque se calhar não fez, como é que se diz, a entrega no período legal, mas não sei se pode fazer, não sei se ele …

Juiz - … ele entrega e a gente vai vê-lo!

Advogado do Arguido – Ora, aqui para terminar …

Sílvia Carvalho - … mas eu não sei responder a isso …

Juiz - … vamos ver se ainda tem ainda …

Sílvia Carvalho - … não sei …

Advogado do Arguido - … para terminar, dona Sílvia, já recordou um pouco disso, é assim, como é que a senhora classificaria a relação que tem com o arguido? Boa, assim assim, péssima?

Sílvia Carvalho – Desadequada para a relação de vizinhança, desadequada …

Juiz - … ò minha senhora, as relações são boas ou são más …

Sílvia Carvalho - … sim, mas …

Juiz - … a atuação, se forem todos conflituosos acusam-se uns aos outros; se um for conflituoso e o outro não, as pessoas são, tem más relações com aquele senhor!

Sílvia Carvalho – Eu não tenho más relações …

Juiz - … não …

Sílvia Carvalho - … eu não tenho relações …

Juiz - … faz queixas daquele senhor, diz que ele faz coisas, e diz que tem uma boa relação?

Sílvia Carvalho – Queixo-me dele??

Juiz - … então não se queixou, fez queixa dele, está a dizer que foi lá cortar as coisas, já se queixou dos cães, então tem uma má relação com este senhor …

Sílvia Carvalho - … limitei-me …

Juiz - … isto não tem nada a ver, não confundam a má relação com a colocação da má relação, tem má relação, o alvo é aquele senhor, tem má relação, ele tem cães e vê-se obrigada a chamar a polícia, diz que corta a mangueira, diz que põe os dejectos na, na, não pode ter uma boa relação com ele …

Sílvia Carvalho - … pois …

Juiz - … ninguém tem, ninguém tem, não é? Pode é não falar com ele, mas que não se dá bem com ele, não se dá. Pode estar assustada, senão não estávamos aqui. Nós estamos aqui porque a senhora tem uma má relação com ele. Ponto final. Não quer dizer que a senhora, que a senhora discuta com ele, não estou a dizer isso, não estou a dizer que é a senhora que tem a iniciativa da má relação, admitamos que é ele que tem um carácter complicoso, e que arranja problemas, e que a senhora naturalmente não gosta daquele vizinho, um vizinho que põe, sob o seu ponto de vista, fezes no caixote de lixo, e que a empregada vem e suja a mão, o vizinho que vai lá e que tira os tubos que despejam, portanto não pode dizer que tem uma boa relação com ele, um vizinho que tem cães que ladram, e que a incomodam durante a noite, e que tem de chamar a polícia porque não está habituada àquele ruído, portanto isto não é uma boa relação, pode é essa relação não se consubstanciar num confronto direto com ele, agora não está a dizer que tem uma boa relação com ele, que não tem!

Sílvia Carvalho – Sim, mas também não disse …

Juiz - … não estamos a falar …

Sílvia Carvalho - … da relação …

Juiz - … da relação, isso não há relação, não há relações adequadas e desadequadas, há relações boas ou más, a senhora não se dá com este vizinho do lado, há vizinhos que guardam uma relação de distância, não há relação nenhuma com as pessoas, é só “bom dia”, “boa tarde”, ou até nem isso, há vizinhos que não dizem “boa tarde” nem “bom dia”, passam por ele, mas não dizem nada. Mais alguma coisa?

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub