Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Inocênte de Quê?

"É relativamente fácil suportar a injustiça. O mais difícil é suportar a Justiça" - Henry Menchen

"É relativamente fácil suportar a injustiça. O mais difícil é suportar a Justiça" - Henry Menchen

Inocênte de Quê?

11
Out20

119 - Julgamento - Contra Alegações Finais (Assistente)

António Dias

Politicos.jpg

 

119

Contra Alegações Assistente

4 minutos e 11 segundos

Advogado da Assistente – Senhor doutor, dê-me o direito de responder a duas frases rápidas!

Juiz – Só 1 minuto senhor doutor, tenho de fazer o despacho para a acção: “neste momento o mandatário da Assistente pediu a palavra para replicar, o que foi diferido.

 Advogado da Assistente – Posso?

Juiz – Pode!

Advogado da Assistente – Com licença V. Exa., cumprimento V. Exa. E os demais presentes. Como é bem sabido por todos os que estão presentes, que participaram neste julgamento, o ora signatário destas alegações não esteve presente na primeira sessão de julgamento. Pelos apontamentos que tenho, pese embora possam ter algum lapso, e se o tiverem desde já se penitencia, tem ideia e tem apontado que, relativamente à testemunha Vitor Carvalho, o mesmo não foi confrontado com as declarações prestadas em inquérito. Se não foi confrontado com as declarações prestadas em inquérito, se as declarações que fez relativamente às alegações agora preferidas pelo arguido, não poderá, por violação das regras do Processo Penal, virem-se fazer comparações sobre o que foi dito nas alegações no julgamento e em inquérito. Se há algum desespero, é o desespero da defesa em querer violar regras processuais, para vir comparar dois depoimentos, sendo que em cede própria não fez cumprindo as regras, como o devia ter feito. Em português, e segundo o dicionário mais básico dos básicos de qualquer livraria, ou de qualquer editora, de baixo calibre, que se perceberá o desespero, e definir “desespero” é isto, é não saber como se defender, e violar regras processuais para tentar justificar algo que não é justificável. Segundo ponto, a “estima”. É verdade que o SMAS tem o hábito, quando manda cartas, de começar por dizer “estimado cliente”. Mas provavelmente há clientes que podem não ser assim tão estimados. Não sei se é o caso do arguido. Mas na verdade há uma coisa que o SMAS se orgulha hoje, se orgulha no passado, e se orgulhará certamente no futuro: não há munícipe que não tenha direito ao seu serviço! E pese embora possa passar um dia a ser este arguido um cliente não estimado pelo SMAS, o SMAS garantir-lhe-á que o esgoto dele terá um sítio para onde evacuar. Pretendem com as alegações afirmar que “o SMAS vem, aproveita a denúncia do senhor Vítor Carvalho para fazer este processo”, mas vai continuar na próxima fatura a tratar o arguido como “estimado cliente”. Há uma coisa que é certa, o SMAS é um serviço público, e tem a obrigação de prestar esse serviço aos munícipes, quer queira quer não queira, pois se não fizesse, em vez de estarem perante estes tribunal a declarar a V. Exa. a descobrir isto, provavelmente o arguido estaria na TVI a gritar dizendo “eu nem ao esgoto tenho direito”! E como nós damos direito ao esgoto e ao saneamento a todos os munícipes, mesmo os não estimados, o senhor Vítor Carvalho vai continuar a ter esgoto. Por isso, se não querem que as cartas tenham “estimado” agradeço que façam uma carta ao SMAS pedindo que mandem a fatura mas sem a palavra “estimado”. Mas a fatura continuará a ir porque, graças a Deus, é por isso que as pessoas hoje vivem condignamente, todas têm direito a um saneamento, e o SMAS  não vai retirar a ninguém, nomeadamente aos clientes não estimados, que porventura poderia ser o senhor arguido. Por isso não foi nenhumas alegações, nem nenhuma prova desesperada aqui feita, o que é certo é o desespero das próprias testemunhas, que afinal sabem que quem cortou a tubagem foi o jardineiro, foi àquela hora, sabem que foi o jardineiro que pôs a tubagem a mandar esgoto para a rua, para elas cheirarem o excremento que dele sai. E o que é que essas pessoas fazem? Vão contratar o jardineiro! Se sabem que o jardineiro é mau, e provoca mau cheiro na praceta, a consequência é “embora lá contratar” o jardineiro, porque o jardineiro é bom. O que é que ele faz? Manda esgoto para o passeio! Se isto é crível para o meu ilustre colega, eu creio que não é crível para mais ninguém, nomeadamente para V. Exa. porque, não terei dúvida, saberá valorar a prova, como sempre o fez, e fará certamente a sua acostumada justiça. Tenho dito!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub