Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Inocênte de Quê?

"É relativamente fácil suportar a injustiça. O mais difícil é suportar a Justiça" - Henry Menchen

"É relativamente fácil suportar a injustiça. O mais difícil é suportar a Justiça" - Henry Menchen

Inocênte de Quê?

13
Set20

115 - Julgamento - Alegações Finais (Análise sobre MP)

António Dias

MP.jpg

 

115

Pode a magistrada do MP entrar na sala vinda pela porta do juíz, e acompanhada por este, com 45 minutos de atraso? Se sim, não devia, porque mostra que não foi imparcial neste julgamento, e que teve a escrever à pressa a alegação final em concluiu com o juíz. Aliás o primeiro desabafo que a magistrada teve quando entrou na primeira sessão foi, "não li nada disto", o que no fim da sessão levou o arguido a perguntar ao seu advogado, "já sou culpado?", ao que ele responseu, "parece que sim"! Basta analisar o que escreveu:

1 - Referindo-se a Sílvia diz que esta "viu as imagens do arguido, e o movimento do dia do corte da mangueira". Mas provou-se que ela não viu nada, a própria acabou por confessar que mentiu em sede de inquérito e ao Tribunal!

2 - A magistrada do MP e o juíz viram o filme de trinta segundos e declararam que não reviam o arguido nas imagens.

3 - O filme de 30 segundos tem a data de 1 de outubro e o "corte" é de 23 de novembro.

4 - O marido Vítor disse o mesmo, mas afirmou que estava noutra janela. Mas o tribunal não se deu ao trabalho de situar essa janela, de onde também não se pode obervar nada devido a uma sebe.

5 - Diz a alegação que também viu as "imagens onde consta o arguido realmente a retirar a mangueira do local onde estava". O que diz dá para tudo, a estratégia de falsear a realidade em função dos seus interesses, e não de lutar perla verdade. No filme alguém agarra numa manga que está abandonada no espaço público e a coloca no muro da casa de onde vem. Mais nada. Não a tira da tampa do esgoto como quer dar a entender. Só há uma verdade, o filme não tem várias interpretações. Mas para o MP vale tudo!

6 - "O arguido introduziu a mangueira no seu quintal. A mangueira foi cortada nesse dia segundo informações do SMAS". O filme é de 1 de outubro, o corte é de 23 de novembro, datas definidas pela acusação. Mas o MP pode tudo, o tribunal é cúmplice e as datas são fundidas numa só. E sem qualquer tipo de pudor, o MP põe na boca do SMAS o que ele não disse, para assim repartir a mentira.

7 - No fim a frase habitual, pede a "acostumada e habitual justiça", em vez de pedir "a acostumada e habitual farsa". Ao pé destes julgadores quem é que precisa de criminosos?

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub